Os Não Deletáveis

Relembrando hoje meu primeiro texto para o Blog do Sidnei Oliveira na Revista Exame.
Uma breve reflexão sobre os relacionamentos em tempo de redes sociais.

Os Não Deletáveis.
Em tempos de tantos amigos no Facebook, tantos seguidores no Twitter, parece que fazer amigos ou conhecer pessoas tornou-se apenas mais um envio de solicitação de amizade. Fulano quer ser seu amigo, fulano está seguindo você, entre outros. Mas com quantas pessoas em sua rede você verdadeiramente tem contato? Quem são as pessoas e relacionamentos que você realmente “curte” e que não são “deletáveis” de sua vida?

Deletáveis, olhando assim, até parece trágico, mas não é. Pensando bem, existem também outras maneiras de identificar esse tipo de pessoas ou relacionamentos em nossas vidas. Como disse uma amiga minha uma vez: Carla, bota na gavetinha dos esquecidos e deixe por lá.

A cada dia, a quantidade de contatos aumenta e mesmo quando paramos para pensar que, para encontrarmos com a pessoa certa podemos ter apenas 1 chance em 7 bilhões, encontraremos pessoas certas na hora errada, pessoas erradas na hora certa, elas estão sempre por aí. Na verdade, todos se tornam suspeitos de serem a pessoa certa em muitos sentidos. Desde ser seu amigo até lhe oferecer um emprego ou uma parceria bacana e porque não, até para ter um relacionamento pessoal mais profundo. Nesse quesito, as redes sociais se tornaram verdadeiros catalisadores, mas isso pode acabar criando algumas dificuldades.

Entretanto, devido ao nosso estilo de vida, criamos relacionamentos deletáveis, pois não desejamos ficar vulneráveis por causa de expectativas e decepções que os relacionamentos podem trazer. Assim, muitos acreditam que o que vale é a quantidade de contatos e não a qualidade do relacionamento. Nada de compromisso sério, viva a curtição total! Então, quando você verifica os relacionamentos nas redes sociais, seus amigos são ótimos. Todos estão sempre felizes, mas de alguma forma, nada tem a ver com você além do contato mesmo, falta aquela química.

Claro que todos temos momentos de extremos, mas, no fundo, todo mundo deseja encontrar amigos não-deletáveis para dividir momentos de sua vida, aqueles que ficarão gravados para sempre na nossa TimeLine, ou seja os “não-deletáveis”.

Carla Falcão

O assunto abordado no artigo Os não-deletáveis é extremamente interessante. Concordo plenamente com a Carla quando menciona que todos buscamos encontrar nossos parceiros ideais e quero comentar isso em uma abrangência maior, não somente aqueles que vamos dividir nossa vida, mas também aqueles que serão nossos chefes, nossos colegas de trabalho, nossos mentores, nossos reais amigos, enfim, todos com os quais iremos nos relacionar agora e no futuro.

O tempo das mídias sociais nos proporcionou aumentar significativamente o número de pessoas que teoricamente temos disponíveis para esses relacionamentos, por outro lado, retirou um item importante também comentado pela Carla, a química, o olho no olho, o contato presencial. Mas os efeitos não são de todo ruins se soubermos nos valer da vida digital, sem necessariamente abandonar a vida presencial e, acredite se quiser, é possível manter os dois.

A fórmula? Esta eu conto à você tomando um café na padaria da esquina!

Paulo Amorim

Recentemente, ouvi a reclamação indignada de uma pessoa que tinha sido excluída do status de amiga de outra pessoa no Facebook. Sua reação foi imediata. Nas fotos de um encontro recente, ela tratou de excluir todas as imagens em que ambas apareciam juntas, buscando assim estabelecer o fim do relacionamento. Além disso, tratou de postar mensagens com frases sobre o verdadeiro valor da amizade ou sobre a ingratidão de algumas pessoas. Seu desejo era transformar aquela “ruptura” em um ato de desagravo. Afinal, ela havia sido “deletada”.

Estamos descobrindo que a comunicação atingiu um novo conceito, onde o que não é dito tem um significado maior do que o que é dito. Tudo porque decidimos transformar nossas vidas em um “livro aberto” nas redes sociais.

As pessoas estão esquecendo que nada supera o contato pessoal, que, aliás, seria muito importante para resolver o caso da pessoa deletada, afinal, em algum momento ambas as amigas acabaram se encontrando e a amiga que foi “deletada” descobriu que a sua amiga simplesmente não sabia usar o Facebook direito e “deletou” diversos contatos sem intenção.

Sidnei Oliveira

Carla Falcão, Especialista em Mídias Sociais, Consultora, Palestrante, Publicitária e integrante do painel criativo “Mentes Brilhantes” do Ibope Inteligência.

Paulo Amorim, Administrador de empresas, especializado em RH e Mestre em Administração, tem mais de 27 anos de atuação na área de Recursos Humanos. Atualmente é Diretor de Recursos Humanos da Dell Computadores para a América Latina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>